SEREI EU FUGINDO?

SEREI EU FUGINDO?
de Luís Soldado e Rui Zink

Ópera para uma viagem de comboio

Um homem com uma mala na mão pede ajuda aos passageiros: está a ser perseguido por sereias. Vêem-nas, não as vêem? Estão a segui-lo – mas ninguém as vê, ninguém o escuta, como da outra vez, só ele as vê, as pessoas têm sempre os ouvidos tapados… Até que elas surgem, de facto, as suas perseguidoras: Circe e Penélope, disputando o melhor dos troféus: a loucura de Ulisses. Mas também podem ser apenas duas turistas a exigir que o homem lhes devolva a mala que apanhou indevidamente…

– Rui Zink –

O projecto de ópera Serei Eu Fugindo?, especialmente idealizado para a iniciativa Andar em Festa/Festas de Lisboa 2013, tem como principal objectivo levar a ópera cómica ao encontro dos cidadãos que «vivem» a cidade de Lisboa, através de uma intervenção artística na ligação ferroviária Lisboa–Cascais.
Sendo um género musical pouco conhecido do grande público, pretende-se demonstrar que a ópera não tem que ser necessariamente uma expressão artística elitista e que pode ser apreciada por todos.
Uma ópera do século XXI, onde a música e o humor se unem de forma a criar um espectáculo eclético e inovador que explora a proximidade e a interacção com o espectador, num contexto surpreendentemente quotidiano.

fotos © Alexandre Lyra Leite

FICHA ARTÍSTICA

Música Luís Soldado
Libreto Rui Zink
Encenação Alexandre Lyra Leite
Soprano Catarina Molder
Barítono Mário Redondo
Actriz Linda Valadas
Direcção Musical Rui Pinheiro
Figurinos Carlota Lagido
Acordeão José Valente
Trompete Fábio Oliveira
Violino Miguel Figueiredo Gomes
Clarinete Ruben Jacinto
Produção Inestética companhia teatral
Parceiro CP – Comboios de Portugal
Apoio Sunset Destination Hostel
Organização Andar Em Festa/Festas de Lisboa
EGEAC/Câmara Municipal de Lisboa

2013 | 15 min | M/3


Andar em Festa | Festas de Lisboa 2013
17 a 21 Jun 2013, Comboios Lisboa-Cascais
13h Cais do Sodré > Cascais
17h Cascais > Cais do Sodré

IMPRENSA
BIOGRAFIAS

Luís Soldado | Compositor

Investigador integrado no Centro de Sociologia e Estética Musical, CESEM, Universidade Nova de Lisboa, onde se encontra a desenvolver projetos relacionados com o estudo e composição de ópera contemporânea e suas novas formas de comunicação, como bolseiro de pós-doutoramento da Fundação para a Ciência e Tecnologia. Desde 2015 ocupa o cargo de Compositor Associado da Orquestra Clássica do Sul. A sua música tem sido programada por vários grupos e orquestras, entre os quais, Grupo de Música Contemporânea de Lisboa, London Contemporary Chamber Orchestra, Nederlands Blazers Ensemble, RCM Sinfonietta, Orquestra Gulbenkian e Composers Ensemble. De entre as suas obras mais recentes, destacam- se a ópera de câmara Hotel Suite, com libreto de Rui Zink, estreada em 2011, em Londres, a ópera Fado Olissiponense, com libreto de Rui Zink, estreada em 2012 no Teatro Nacional de São Carlos. Com a Inestética compôs a ópera de câmara “O Corvo”, a partir de Edgar Allan Poe, estreada em 2015 e editada em CD em 2016, a ópera “Tabacaria”, a partir de Fernando Pessoa, estreada em 2017, e a música do espectáculo “Noir”, de Alexandre Lyra Leite, a partir de Edward Gorey.

Rui Zink | Libretista

Autor de trinta obras de ficção, traduzidas numa dezena de países. Docente na FCSH-UNL. Em 2000 foi autor do libreto de Os Fugitivos, ópera de José Eduardo Rocha, e coautor de Laccomodamento, peça estreada em Veneza em 2004, no festival Goldoni.

Alexandre Lyra Leite | Encenador

Nasceu em Lisboa, em 1971. Estudou Cinema na ESTC – Escola Superior de Teatro e Cinema e Produção e Gestão Teatral no IFICT – Instituto de Formação, Investigação e Criação Teatral, em Lisboa.
Em 1991 fundou a Inestética companhia teatral, onde desenvolve actividade profissional como director artístico, encenador, produtor e autor. Encenou espectáculos nas áreas do teatro, performance e ópera, bem como vários musicais infantis para a Universal Music Portugal. Para além de textos originais, concebeu e dirigiu espectáculos a partir de Franz Kafka, Fernando Pessoa, Charles Baudelaire, Edgar Allan Poe, Italo Calvino, William Blake, Tristan Tzara, entre outros.
Deu aulas no Curso Superior de Produção Multimédia Interactiva, IPA – Instituto Superior Autónomo de Estudos Politécnicos, Lisboa, e foi formador entre 2006 e 2018 na ETIC, em Lisboa, nos cursos de Realização, Vídeo e Animação 2D/3D. Premiado em três edições do Concurso “O Teatro na Década”, organizado pelo Clube Português de Artes e Ideias, e bolseiro na área de Artes do Espectáculo/Teatro do Centro Nacional de Cultura, Lisboa, e da Fundação Calouste Gulbenkian, no programa de Novos Encenadores. Em 1996 foi distinguido com a Placa de Mérito Cultural da Cidade de Vila Franca de Xira.

Rui Pinheiro | Direcção musical

Actual Maestro Titular da Orquestra Clássica do Sul (Algarve). Terminou recentemente um contrato de dois anos como Maestro Associado da Orquestra Sinfónica de Bournemouth (Reino Unido). Em Portugal dirige regularmente as orquestras Gulbenkian e Sinfónica Portuguesa entre outras. Internacionalmente destacam-se concertos com a Ópera de Gales, Orquestra Sinfónica de Bournemouth, Orquestra Estatal ‘Ion Dumitrescu’ (Roménia) e apresentações nos BBC-PromsPlus, festival Vienna – City of Dreams (Philarmonia Orchestra) e no Barbican em Londres. Foi Director Musical do Ensemble Serse (ópera barroca em instrumentos de época) e do Ensemble Disquiet (música contemporânea). Possui um Mestrado em Direcção de Orquestra do Royal College of Music (Londres). Após concluir a licenciatura em piano na ESMAE estudou na Academia Ferenc Liszt (Budapeste). Possui um Mestrado em Artes Musicais da Universidade Nova de Lisboa. Gravou para a RDP–Antena 2, BBC-Radio 3 e para a Numérica.